Escreva um diário

Por 365 dias eu escrevi sobre meus dias. Esse foi meu 2020.

Eu comecei no dia 2 ou 3 de janeiro, detalhando em um arquivo de Word como foi minha virada e os primeiros segundos do ano. Depois disso continuei listando e descrevendo os dias, um após o outro.

Fiquei alguns dias sem escrever, e sentava durante um tempo para tirar o atraso. Não pensei que faria isso até o fim do ano de 2020, mas fiz. E foi uma das melhores coisas do ano.

A sensação de ter ali meus dias registrados, e poder escrever em detalhes meus sentimentos e minha visão das coisas cotidianas é incrível. Eu aprendi a contar histórias melhor. Melhorei minha expressividade e habilidade em descrever acontecimentos. Mais ainda, além disso tudo, eu registrei dos a dia do ano mais maluco de todas as nossas vidas.

Por enquanto este arquivo do Word está descansando no meu Onedrive. 130 páginas em folhas A4. Mais de 67.500 palavras. Não pretendo publicá-lo. Com certeza vou revisitá-lo este ano e nos próximos, quando eu me perguntar “o que eu estava fazendo neste dia de 2020?”. Além de um arquivo de alguns megabytes, fica a experiência, o aprendizado, e todo o incentivo para que você, leitor, faça isso. Registre seus dias. Comece hoje mesmo. Você não vai se arrepender.

O início da perfeição

“Não há nada que não se deve ser escrito. Se um dia existir, deverá ser escrito a fins de registro sobre o que não se pode escrever.

Tudo deve ser escrito à finalidade do aperfeiçoamento, nunca visando a perfeição como destino palpável, mas como a constante mudança e transformação em algo totalmente novo, completo e, por fim, perfeito. A finalidade da arte é perfeita harmonia entre forma (estética) e conteúdo (seja poética, filosófica, jornalística, etc). O autor (no caso, eu) deve buscr a perfeieção não como algo visível, um destino a se chegar, mas como uma constante quase inalcançável. A perfeição utópica. É ela a que vamos buscara. E vamos como loucos. A escrita é uma procura incessante pela perfeição em sua plenitude.”

O texto que você acabou de ler foi escrito dia 14 de outubro de 2016, por um Pedro um pouco mais novo que esse que lhe escreve agora. Quase um ano depois eu comecei este blog que você está. A perfeição ainda não foi alcançada, mas a busca continua. Vasculhando alguns cadernos antigos encontrei esse texto, e achei um bom jeito de começar um ano cheio de Coisas de Pedro. Todas terças e quintas deste 2021 estaremos aqui, e espero vocês pra mais coisas que estão por vir.

Segundas Criativas

Ontem foi segunda feira, e há pouquíssimo tempo eu instituí na minha rotina as Segundas Criativas.

É um espaço reservado na minha agenda para que eu escreva textos para a semana inteira do blog. Simples assim. Eu desligo o celular, a internet, qualquer coisa que possa me distrair. E escrevo.

Durante a semana anoto as ideias que podem virar algum texto em uma lista, com frases curtas que me lembrem da ideia. E é nas Segundas Criativas que elas tomam forma e conteúdo em palavras escritas.

Mas, como você pode perceber, eu não sento para escrever somente às segundas feiras. Durante todo o resto da semana eu continuo criando e anotando coisas. Isso acontece porque a inspiração não vem de um só lugar.

Essas Coisas de Pedro, que você lê aqui toda semana (muito obrigado por isso) me estimulam a criar todo o dia, a todo o momento. Estou fazendo diálogos na minha cabeça. Inventando histórias e personagens, ideias de crônicas e textos que aparecem por aqui.

É por isso que eu fiquei muito feliz ao criar, no mês em que completei 3 anos de blog, a Segunda Criativa. É um momento da semana que me faz criar toda a semana. E assim eu continuo enchendo esse blog de coisas…

250250250250

Este é o texto de número 250!

Estou feliz. Muito feliz.

Eu comecei esse blog com apenas 5 textos debaixo do braço, e agora ele chegou aos 250! Tão crescidinho. E para celebrar esse ducentésimo quincuagésimo texto (eu dei um google pra acertar isso), que é um marco incrível, vamos a alguns números:

Letras e Posts

Todos os textos publicados até hoje somam 72670 palavras, tendo em média 315 palavras por texto. 72670 palavras! Isso é mais do que um livro completo!

Até o momento, o ano que eu mais escrevi foi 2019. Com 102 textos e 30382 palavras. Este ano de 2020 é o que vocês mais curtiram meus textos e mais comentaram, tendo quase 1 curtida por post, e um comentário a cada 2 posts.

Analisando os dados do WordPress, eu percebi que tenho ficado mais conciso ou mais preguiçoso. Minha média de palavras por post era de 377 em 2017. Caiu para 324 em 2018, 298 em 2019 e este ano, em média, meus posts tem 261. Daqui a pouco eu vou publicar meus textos no Twitter. Bom, pelo menos você lê mais rápido.

Textos mais lidos

Ambos os textos mais lidos são sobre o meu livro, Clara! Eu publiquei o livro em PDF (que você pode saber mais clicando aqui).
O primeiro capítulo do livro foi publicado aqui em um post cerca de um mês antes do lançamento do livro, e é o mais visualizado de longe. Veja abaixo um trecho dele:

Clara – À Primeira Vista

O centro de São Paulo é sempre cheio. Carros, pessoas e muita gente. Ali acabamos por reparar alguns tipos. Era onde Beto estava e, por um segundo, deixou-se estar. Na avenida passavam um ônibus, um táxi e um Corsa prata e, nesse conciso intervalo, Clara. E Beto simplesmente deixou-se estar. <<< BETO >>> Deixemos por … Continue lendo Clara – À Primeira Vista

Logo em seguida, o texto mais lido foi o que eu fiz pra ela. Minha companheira, minha melhor amiga, o amor da minha vida, e minha editora chefe:

Ela

Ela é minha Meryl Streep. Você, que já acompanha meu blog há algum tempo, já me viu falando algumas vezes aqui da minha editora-chefe. Sim, eu tenho uma editora-chefe, e ela desempenha seu papel muito bem. Cada vírgula disso tudo aqui passa pelos olhos dela – e os olhos dela merecem um texto à parte. … Continue lendo Ela

Em terceiro lugar, um dos textos que mais me orgulho ter feito, e provavelmente o que eu mais indiquei para pessoas lerem e conhecerem meu blog. O curioso caso do presunto. Sério, lê aí:

Curioso caso do presunto

O grande conquistador marchava à frente de seu exército pelos campos verdejantes do inimigo. A longa caminhada levava ao centro de comércio e governo de seus algozes. Numa marcha ligeira e contínua, repentinamente, sem nenhuma explicação plausível do Universo, o grande conquistador viu um presunto. Não era exatamente diferente de qualquer presunto que você compra … Continue lendo Curioso caso do presunto

Considerações Finais

Este ano eu comprei um domínio coisasdepedro.com e comecei a publicar com mais frequência. Muita gente legal está conhecendo o blog e comentando nos textos. Isso me deixa mais animado para criar e produzir mais e mais coisas de Pedro.

Muito obrigado a você, que leu pelo menos algum desses textos. Obrigado a quem me segue no instagram @coisadpedro, mesmo que eu não poste muita coisa por lá. Obrigado ao WordPress, por me dar muito menos trabalho ao criar e manter um site. E obrigado à minha editora chefe, que me apoia e me incentiva todo o dia a não deixar de criar, e acreditar no que eu faço aqui.

E que venham mais 250…

Um texto por dia? Consegui!

Já estamos no fim de setembro

E esse é o último texto que teremos neste blog aos domingos, pelo menos por bastante tempo. Celebramos três anos de Coisas de Pedro com (quase) um texto por dia, e foi uma experiência interessante.

No primeiro dia do mês eu tive a ideia e discuti com a minha equipe criativa (composta por eu e minha companheira). Então decidimos que, sim, teria texto todo dia. Até pedi desculpas por ter lotado a caixa de e-mail de um pessoal.

Depois foi um exercício de escrita como eu não fazia há um bom tempo. Eu sentava, e precisava ter um texto para amanhã, e para o dia seguinte e para depois também. Com os habituais dois textos por semana eu conseguia ter uma folga e um pequeno estoque de textos agendados. Este mês eu quase não tive.

Foi por isso que eu criei a Segunda Criativa. Depois de passar a primeira semana perdido, eu percebi que o cansaço da rotina vai acumulando com o passar dos dias (ou era só a proximidade com as quintas feiras, que eu odeio). E o dia que me sentia mais produtivo e criativo? Segundas feiras.

Algumas vezes eu escrevi textos para a semana inteira em apenas uma hora sentado na frente de um teclado. Está sendo perfeito.

A partir de outubro voltamos à programação normal, mas este mês especial ficou marcado como um mês de experimento, exercício, e celebração.