Metas para 2021

Um bom dia para você, querido leitor do Coisas de Pedro, que fez planos para 2021 logo no começo do ano, e até agora está esperando o momento certo para começar a colocá-los em prática!

Eu começo o primeiro texto de fevereiro com um “Bom dia” para te avisar, caro leitor, que já é Fevereiro. Nós já vivemos uma grande fração de 2021, e o que você fez com as metas do começo do ano? Você pode já ter começado e desistido. Ou talvez você se animou demais nos primeiros dias e semanas, e o ânimo já não é mais o mesmo.

Bom, o que tem me ajudado a manter as metas e hábitos que desenvolvi nos últimos anos é algo simples. Pelo menos por 5 minutos todo dia, faça algo que ajude a sua meta a avançar. Não precisam ser passos grandes, mas apenas pequenos movimentos que vão te dar a sensação de que você trabalhou no que você realmente queria. E assim, com pequenos passos, se faz uma longa caminhada.

Eu quero que esse post seja uma conversa. Então aproveite o espaço aqui embaixo para me contar quais são as suas metas para esse ano, e o quanto você já conseguiu avançar em cada uma delas. Vamos conversar!

Nova Variante da Burrice

Uma nova variante de burrice foi detectada, e pode estar circulando a mais tempo do que imaginamos no Brasil.

Especialistas em retórica, história e sociologia detectaram por meio de pesquisas no Facebook e Twitter uma nova variante de burrice circulando no Brasil. A patologia já recebeu diversos nomes, mas está sendo catalogada entre os fenômenos sociais como “tiresuaspropriasconclusõesismo“.

Conversamos com o sociólogo e professor da universidade de Campinas, Fernando Almeida, que tem mais a nos dizer sobre esse tipo tão específico de burrice. Ele diz “É uma variante muito perigosa por ser mais transmissível. Veja só, um famoso que é burro e acredita em uma teoria da conspiração pode acabar transmitindo a burrice dele para outras milhares de pessoas. E se ele é famoso, tem mais seguidores, consequentemente tem mais credibilidade nas redes sociais. E assim seus seguidores, na maioria tão burros quanto eles, acabam replicando sua burrice para as entranhas da internet“.

O historiador José Cardoso Neto diz já ter precedentes na humanidade, mas a nova variante tem se provado ainda mais perigosa. “Antes um doido gritando na praça era só um doido. Agora as pessoas se juntam em grupos e hashtags pra discutir conspirações. E pra elas, todas essas conspirações são reais. Todos querem acreditar que o governo ou as grandes organizações estão escondendo coisas de você. Eles só querem o seu dinheiro” diz o professor.

Infelizmente o panorama não é muito otimista. A nossa equipe de reportagens fez uma grande pesquisa, e pelo visto a única solução para a burrice e falta de informação é assinar jornais com mensalidades de até R$14,99. Mas infelizmente esses jornais de credibilidades realmente comprovadas já são infectados pela nova variante de burrice e, portanto, não são mais tão lidos ou acreditados, passando a serem chamados genericamente de “grande mídia golpista”.

Escreva um diário

Por 365 dias eu escrevi sobre meus dias. Esse foi meu 2020.

Eu comecei no dia 2 ou 3 de janeiro, detalhando em um arquivo de Word como foi minha virada e os primeiros segundos do ano. Depois disso continuei listando e descrevendo os dias, um após o outro.

Fiquei alguns dias sem escrever, e sentava durante um tempo para tirar o atraso. Não pensei que faria isso até o fim do ano de 2020, mas fiz. E foi uma das melhores coisas do ano.

A sensação de ter ali meus dias registrados, e poder escrever em detalhes meus sentimentos e minha visão das coisas cotidianas é incrível. Eu aprendi a contar histórias melhor. Melhorei minha expressividade e habilidade em descrever acontecimentos. Mais ainda, além disso tudo, eu registrei dos a dia do ano mais maluco de todas as nossas vidas.

Por enquanto este arquivo do Word está descansando no meu Onedrive. 130 páginas em folhas A4. Mais de 67.500 palavras. Não pretendo publicá-lo. Com certeza vou revisitá-lo este ano e nos próximos, quando eu me perguntar “o que eu estava fazendo neste dia de 2020?”. Além de um arquivo de alguns megabytes, fica a experiência, o aprendizado, e todo o incentivo para que você, leitor, faça isso. Registre seus dias. Comece hoje mesmo. Você não vai se arrepender.

Senhorzinho sensato

Vi um senhor, parado no meio da calçada embaixo de uma árvore. Ali ele estava com sua bicicleta, e usava uma máscara.

Muito precavido esse senhor, em tempos de pandemia, mesmo saindo de casa usava a máscara sem ser no pescoço, ou com o nariz de fora. Também estava andando de bicicleta nesse bairro que tem pouco movimento e nenhuma aglomeração nas praças.

O senhor parou ali embaixo da árvore. Abaixou a máscara cuidadosamente, e mexeu no bolso, tirando alguma coisa. Depois ele começou a mexer nas mãos. Muito bem. O senhorzinho trazia seu próprio álcool em gel.

Não, não era álcool em gel. Ele estava embolando seu cigarrinho. Fez isso mais cuidadosamente ainda. Acendeu e tragou várias vezes ali, embaixo da sombra. Muita sensatez, mesmo. Andar de máscara.

Mas tirar a máscara pra acender um cigarro? Ta bom…vou atravessar a rua e continuar voltando pra casa.

Aula de História

– Muito bem, crianças! Vamos começar nossa aula de hoje? Cliquem no link embaixo para abrir a página da aula de hoje. Alguém pode falar pra gente quando aconteceu tudo o que a gente vai estudar agora? O Maik.

Segundos de silêncio

– Maik, liga o microfone pra gente te ouvir.

– Aconteceu dia sete de junho de dois mil e vinte e oito, professor

– Exatamente, Maik! Neste dia, por volta das dez da manhã o presidente fez algo marcante para todos…

– Não mainhê!

– Maik, desliga seu microfone pra gente? Ótimo. Então, como eu dizia, o presidente fez algo marcante. Alguém sabe o que foi? Angela

– Um tweet, professor! Eu pesquisei aqui e acabei de dar RT.

– É isso mesmo, Angela. Você deu RT em uma versão divulgada pelos jornais da época. Foi um tweet que mudou a democracia e a forma de governo da época. Nas horas seguintes ao tweet, vários canais no Youtube começaram a subir vídeos falando sobre o assunto. Então começaram a ter discussões jurídicas, e as pessoas ficaram revoltadas com tudo o que estava acontecendo. Arthur, você está com a mão levantada?

– Qual era o tweet, professor?

– Aah muito bem. Olha aqui esse print.

As crianças ficaram espantadas.

– Está em um borrão, porque ele falou uma coisa muito feia, que vocês não repetem, crianças. Se quiserem, vão no perfil da Angela pra ver a versão dos jornais, que é melhor e mais leve. E depois desse tweet, o que mais aconteceu, crianças? Mônica.

– As pessoas foram pras ruas?

– Não não, Mônica. Obrigado por ter respondido, mas as pessoas só iam às ruas antes de começar essa era que estamos estudando. Agora elas continuavam a fazer memes sobre o assunto, mas inventaram também músicas e dancinhas no tiktok para protestarem. Arthur, você pode ler o primeiro parágrafo pra gente?

– Posso professor. Alexa, leia para mim

– É claro – disse a Alexa. E começou a ler.