Parabéns a todos os envolvidos

É com imenso orgulho deste país que anuncio termos nosso presidente como ganhador do prêmio Ig Nobel 2020!

Primeiramente deixa-me explicar. Eu tomei conhecimento desse prêmio semana passada. E isso me deixou muito feliz.

Ignobel, pela definição do site oficial, é “um prêmio para pesquisas científicas improváveis”. São premiadas “pesquisas que te fazem rir, e depois pensar”. O conceito é excelente. E é um prêmio sério, reconhecido pela Nature, que é uma das revistas mais importantes de divulgação científica.

O Brasil já foi ganhador em edições anteriores, e a deste ano teve dois prêmios. O primeiro é motivo de orgulho real. Resumindo bastante: A pesquisa diz que, em países mais pobres, as pessoas beijam mais na boca.

Agora que você já riu, e já pensou um pouquinho, vamos ao prêmio anunciado anteriormente.

Na categoria Educação Médica, os ganhadores são os líderes Jair Bolsonaro do Brasil, Boris Johnson do Reino Unido, Narendra Modi da Índia, Andrés Manuel López Obrador do México, Alexander Lukashenko da Bielo-Rússia, Donald Trump dos EUA, Recep Tayyip Erdogan da Turquia, Vladimir Putin da Rússia e Gurbanguly Berdimuhamedow do Turcomenistão, por usarem a pandemia viral Covid-19 para ensinar ao mundo que os políticos podem ter um efeito mais imediato sobre a vida e a morte do que os cientistas e médicos.

Todos conseguiram com sucesso ignorar a ciência, eleger medicamentos duvidosos como a salvação, negligenciar a vida de muitos e politizar um vírus! Parabéns a todos os vencedores deste prêmio.

Infelizmente eles ganharam, mas todos nós perdemos.

Segundas Criativas

Ontem foi segunda feira, e há pouquíssimo tempo eu instituí na minha rotina as Segundas Criativas.

É um espaço reservado na minha agenda para que eu escreva textos para a semana inteira do blog. Simples assim. Eu desligo o celular, a internet, qualquer coisa que possa me distrair. E escrevo.

Durante a semana anoto as ideias que podem virar algum texto em uma lista, com frases curtas que me lembrem da ideia. E é nas Segundas Criativas que elas tomam forma e conteúdo em palavras escritas.

Mas, como você pode perceber, eu não sento para escrever somente às segundas feiras. Durante todo o resto da semana eu continuo criando e anotando coisas. Isso acontece porque a inspiração não vem de um só lugar.

Essas Coisas de Pedro, que você lê aqui toda semana (muito obrigado por isso) me estimulam a criar todo o dia, a todo o momento. Estou fazendo diálogos na minha cabeça. Inventando histórias e personagens, ideias de crônicas e textos que aparecem por aqui.

É por isso que eu fiquei muito feliz ao criar, no mês em que completei 3 anos de blog, a Segunda Criativa. É um momento da semana que me faz criar toda a semana. E assim eu continuo enchendo esse blog de coisas…

Tédio atualizado

Eu tenho uma nova descrição para Tédio.

Geralmente o tédio é causado pela falta do que fazer. Uma sala de espera, o fim de semana em hotel fazenda (ou qualquer hotel normal) são geradores de tédio que, se pudessem gerar energia elétrica, estaríamos feitos para todo o sempre.

Elevadores são perfeitos geradores de tédio, porém o tempo em que você passa neles são curtos. Estamos falando do tempo real. O tempo imaginário são sempre medidos em meses ou anos na linha temporal dos elevadores.

Enfim, o tédio é mais do que o estado de falta do que fazer. Vai além da sensação que esse estado causa. Pra mim é outra coisa.

Quando não tenho nada pra fazer eu, geralmente, crio. Uma fila do banco, geralmente, me rende várias ideias para textos aqui para o blog. Uns 30 minutos na porta de casa esperando uma carona que demorou me renderiam ótimos roteiros imaginários de filmes de ação. O meu problema é com ter coisas pra fazer.

Quando eu tenho algo pra fazer, eu procrastino. Evito o máximo fazer o que precisa ser feito. E aí que eu me vejo na obrigação de arranjar algo pra fazer. Qualquer coisa, menos a minha tarefa principal. É aí que se encaixa o meu tédio.

Exatamente aí, entre o que eu quero fazer o no momento, e o que eu deveria ter feito há 2 dias. Existe um pequeno momento em que eu me contento que “tá bom, eu preciso fazer isso. E não há nada que eu possa fazer para procrastinar”. Então eu fico entediado. Apoio o cotovelo no sofá, o queixo na mão. Encaro o vazio da existência e da sala. Eu tenho mesmo que fazer isso? Que tédio…

(postado numa quinta feira de tédio)

3 aninhos de existência

Hoje o Coisas de Pedro completa 3 anos!

No dia 17 de setembro de 2017, Pedro criava um blog que revol..criava um blog que mudaria a sua vid

Há 3 anos eu comecei essa bagaça.

Muito antes de escrever crônicas e contos, eu já tinha preenchido muitos dos meus cadernos de poemas. Além disso eu me arriscava em colocar alguns acordes e fazer músicas, com violão ou guitarra. Eu trancava a porta do meu quarto, e era o que se ouvia do lado de fora. Às vezes silêncio, enquanto eu escrevia. Às vezes desafinação, enquanto trabalhava em composições para meus poemas.

Quando alguém ia em casa, e queria falar comigo, era isso que eu estava fazendo. Coisas de Pedro.

Coisas que eu fazia pra mim, e só eu entendia.

Escrevi um livro (que você pode baixar clicando aqui). Fiz uma coletânea de poemas (que você também pode baixar clicando aqui).

Desde então trabalhei em mais de duzentos textos para manter esse blog cheio de vida e das minhas ideias. Comprei o domínio coisasdepedro.com, pra ficar mais fácil de você acessar. Fiz uma conta no instagram (@coisasdpedro) para publicar coisas por lá também. Comprei um teclado bluetooth para escrever meus textos de qualquer lugar.

E agora, completando 3 anos de blog, eu anuncio que…

Bom…nada demais.

O blog continuará tendo Coisas de Pedro, sempre. Isso sim é uma novidade. Vamos ver até aonde vai isso aqui.

Você já ouviu falar do Notion?

Com o passar do tempo eu virei o maníaco da organização. Comecei aprendendo com a minha editora chefe a fazer listas. Ela faz listas para tudo. Resoluções de fim e começo de ano, desejos, tarefas e afazeres, coisas para comprar, livros para ler. Eu passei a amar fazer listas de tudo também.

Depois eu conheci o Trello e OneNote, aplicativos para trabalho em grupo, que sincronizam em todos os dispositivos as notas, fotos, vídeos, links e rascunhos do que você colocar no projeto. Eles eram perfeitos e, junto com o meu bullet journal, eu estava com a organização à frente dos meus olhos.

Sim, eu pesquisei muito sobre bullet journals para fazer o meu. Encontrei blogs que falam só sobre esse tema, e como fazer suas listas, calendários, colagens e diários no formato. Era incrível. Pra mim era perfeito.

Mas, na prática, eu só fazia por poucos meses e parava. Não conseguia manter projetos no Trello dentro do prazo, e abandonava as listas do OneNote. Meu bullet journal? Metade ficou pra 2019, metade pra 2020. Ambos eu parei em maio.

Então eu conheci o Notion. Um aplicativo que junta tudo isso em um só. Eu achei melhor até que o próprio aplicativo do Bullet Journal (já que o Notion é de graça). Com ele você pode fazer listas com pontos, to-do lists para você ticar itens, escrever textos, anexar imagens e vídeos, links com visualização na própria página do aplicativo. Mais ainda, você consegue colocar notas dentro de notas. Eu comecei até a fazer a minha própria wiki, com informações aleatórias e páginas dentro de páginas.

Além de ser gratuito, eu achei o Notion mais leve que o Evernote e Trello, e mais rápido que OneNote. Me adaptei rápido às funcionalidades, mesmo sendo todo em inglês. Hoje eu uso pra gerenciar a minha vida, fazer anotações recorrentes e registrar histórias em uma wiki só minha.

Sério, o Notion é muito bom.

Atenção, este não é um post pago. Se você se sentiu ofendido, procure um médico. Obrigado.