Conversa de Pedro #3 – A ferramenta da Língua Portuguesa com @camilarevisa

A Camila é o posto Ipiranga da língua portuguesa no Instagram. Se você tem uma dúvida sobre acentuação, porquês ou vírgula, e só ir no @camilarevisa. Nesse Conversa de Pedro conversamos sobre a importância de conhecer a língua portuguesa, como ensinar e atrair novos leitores a autores nacionais.


Aqui você segue a Camila no Instagram

Você pode ouvir no player aqui em cima, ou clicando em um dos links abaixo:

Spotify

Anchor

Siga nas redes

Participe do Podcast

Quer participar no próximo episódio do podcast? É só me mandar uma pergunta, sugestão ou qualquer mensagem. Estou lá no Instagram como @coisasdpedro. Além disso, se você usa o Anchor, pode me mandar mensagens de áudio no link anchor.fm/coisasdpedro.

#11 Fazendo um podcast

Um episódio de making deste podcast que está voltando para uma segunda temporada com mais dez episódios! Neste aqui eu conversei com o Vito que edita o podcast, e li alguns textos sobre como essa ferramenta é importante para passar informações e compartilhar histórias!

Você pode ouvir no player aqui em cima, ou clicando em um dos links abaixo:

Spotify

Anchor

Textos lidos no episódio:

Como assim, Podcast?

Volta das Férias

Siga nas redes

Participe do Podcast

Quer participar no próximo episódio do podcast? É só me mandar uma pergunta, sugestão ou qualquer mensagem. Estou lá no Instagram como @coisasdpedro. Além disso, se você usa o Anchor, pode me mandar mensagens de áudio no link anchor.fm/coisasdpedro.

Senhorinha na fila da vacina

Eu ainda não falei aqui sobre como a vacina da Covid ter saído em tempo recorde de desenvolvimento é um marco da humanidade. E é, realmente. As próximas gerações vão se lembrar de todo esse empenho e investimento de recursos em um único objetivo como método para muitas conquistas futuras.

Por enquanto eu gostaria de me concentrar nas vacinas como uma demonstração da evolução da raça humana, e em como esses animaizinhos que aqui vivem conseguem se organizar e produzir algo quando se empenham de verdade.
Mas não estou conseguindo, por causa de uma cena que vi em uma dessas filas de vacinação.

Aqui na minha cidade a campanha não foi a mais exemplar, e tenho certeza de que foi assim em muitos lugares do Brasil. O anúncio do dia de vacinação era um carro de som passando na rua. A mesma voz que indicava o kilo da banana a 2,98 também estava anunciando que na próxima sexta feira, no recinto de exposições, haveria vacinação contra a covid. Todos os idosinhos foram. A maioria deles acompanhados.

A fila, com uma leve derrapada nas restrições de 1,5mts de distância, dava a volta no quarteirão do recinto.
E ali, naquela fila, eu vi uma senhora atravessando a rua e saindo da fila por alguns instantes. Sua neta ou filha ficaria na fila guardando seu lugar.

Essa senhora estava prestes a receber a primeira dose da amostra do desenvolvimento científico e tecnológico da raça humana enquanto espécie. Seu corpo receberia componentes do vírus o suficiente para terem em seu sistema imune respostas eficazes contra o vírus completo. E aquela senhora saiu da fila. Atravessou a rua. Acendeu um cigarro.

Isso é Brasil. Um suco de Brasil.

Uma série não regular

Eu não preciso dizer que necessito de um computador para desempenhar a maioria das tarefas que mantém o blog e o podcast vivos, não é? Mas já disse.

Bom, eu escrevo textos, faço roteiros e pautas, gravo, edito e sonorizo, edito imagens e faço stories, tudo por esse celular Samsung 5 Metal que ganhei da minha digníssima (Essa semana postei um texto sobre ele lá no Instagram @coisasdpedro, aliás).

Grande parte do meu livro, que está em produção, precisa de um computador para ser diagramada, fazer a capa e cuidar de muitos detalhes que um celular não suporta.

Além disso, gravar e editar o podcast seria imensamente mais rápido e produtivo se eu fizesse em um computador. A produção poderia ser tão acelerada que até mesmo os episódios poderiam ser semanais (não estou prometendo nada aqui).

É por isso que eu vou montar um computador.

Eu nunca vou pelo caminho mais fácil, você percebe. Eu poderia entrar na Casas Bahia ou Americanas, escolher ali qualquer computador barato e fazer em 12x no cartão.

Não.

Eu vou comprar todas as peças separadas, e, com ajuda técnica, montar ele todo. Mas eu fui além.
Quero comprar a maior parte das peças à vista. E, para isso, estou vendendo muitas coisas que não uso. Entre elas, duas guitarras (pra quê? Eu só tenho dois braços), um videogame empoeirado (eu limpei antes de anunciar, ok?) e uma câmera (que está guardada há mais de três meses sem uso).

Essa é uma nova série aqui do blog.

Vou contar como vai ser essa aventura de vender tudo, nas entranhas da Enjoei e OLX da vida. Talvez eu poupe você da parte técnica, de megahertz de memória RAM e Processadores, talvez não. Mas, no final dessa série, eu terei meu computador montado, e estarei escrevendo nele.

Vai ser uma viagem legal.

Para todos os textos dessa série, vou usar a tag PC do Pedro. Acompanha aí!

Por mais insignificante

Ninguém sabia dizer exatamente dizer como aquele pequeno planeta apareceu ali. O sistema solar estava formado, mesmo parecendo minúsculo em comparação com outras estrelas. Mas é sempre assim. Uma estrela concentra força e gravidade suficiente pra puxar outros corpos celestes numa dança pelo cosmos. Em casos parecidos vimos vir nascer, mas nunca em um planeta tão pequeno, sob a força de um sol tão minúsculo.

E agora, passando aqui deste lado da galáxia nos deparamos com esse planeta. Parece ter alguns tipos de gases e fluidos desenvolvidos. Provavelmente há vida ali. Tentamos nos aproximar mais e recebemos sinais de diversas frequências, o que indica uma certa evolução tecnológica ou psíquica desses seres. Por mais insignificante que seja, eu acho que deveríamos descer e pesquisar mais. O que o senhor acha, major?” Disse o chefe da tripulação. Ao que o major respondeu “Concentre-se na sua missão, filho” e assim tivemos mais uma longa duração de algumas centenas de anos de vida neste planeta terra.