Irã

O governo dali era autoritário, e não havia dúvidas disso. E, como todo governo totalitário, alguns habitantes do país não estavam satisfeitos com decisões recentes do governo. Fica muito difícil quando um outro país manda um míssil pra executar seu comandante general, quando seu país já sofre de muitos outros problemas. Decisões impopulares são comuns em situações adversas, militar e politicamente falando.
O povo quer protestar e ir às ruas.

Tudo fica ainda pior no meio de uma pandemia.

O governo avisou que não era legal as pessoas saírem e seguirem com suas vidas normalmente. Parte do povo era muito devoto religiosamente, e não pararam de se congregar em grandes aglomerações. Temendo que o governo os impedisse de exercer sua religião, alguns devotos lambiam as paredes do tempo e dos prédios religiosos. A outra parte do povo insatisfeita com o governo, achou que a proibição de aglomerações era só uma tática do governo proibir manifestações e suprimir os reacionários.

As pessoas não pararam de ir às ruas. Não pararam de ir às mesquitas. Não ficaram em casa.

Até o momento da escrita deste texto, o governo autoritário não divulga para o resto do mundo os números reais da pandemia em seu território. Talvez não porque não queiram, mas porque não conseguem mais. O que sabemos com certeza é o tamanho da vala que estão abrindo para enterrar seus conterrâneos. E sabemos disso porque dá para ver… por imagens de satélite. Que nossos irmãos iranianos consigam passar por esse momento tão difícil na história do mundo e do seu país.