Cachorros da rua

O primeiro cachorro latiu porque um bêbado passou na rua. O bêbado nem ligou, e nem ouviu. Enquanto passava, arrastava uma perna, e uma mala com alguma coisa que fazia barulho, e fazia o cachorro latir.

O segundo cachorro, mais pra cá na rua, latiu porque o cachorro da esquina latiu. Não pensou muito bem no porquê de estar latindo, até porque cachorros, em geral, não pensam. Mas ele latiu. Seu companheiro estava latindo, e ele o fez apenas para fazer companhia. Não estava vendo o bêbado.

Muito menos o terceiro cachorro. Ele não via o bêbado, nem o segundo cachorro. O portão da sua casa era todo fechado, e ele latia justamente porque ouvia seus companheiros de latido, latirem. Não sabia o que era nem queria saber. Era seu protesto por ter um portão que não dava pra ver a rua.

Todos seus sentidos eram a audição e o olfato. E o quarto cachorro só tinha a audição, já que era velho, e não conseguia latir muito. Mas ele uivava, e era muito bom nisso.

Após isso, os cachorros cinco e seis, e todos os outros da rua latiam. E foi assim durante meia hora.

Meia.

Hora.

O bêbado já estava em casa. Os cachorros latiam, e nem sabiam para quê ou para quem. Mesmo os que começaram latindo sem saber porquê.

Alguém reclamou alguma coisa no Twitter…