O homem natural

O homem natural acorda debaixo do pé de fruta em que dormiu, e respira o ar puro do planeta onde habita, junto com os passarinhos e outros bichos que por ali também convivem. Depois de olhar em volta, contemplando a beleza do lugar, pareceu bem a si mesmo decidir tomar um café.

Bom, supondo que ele saiba o que é um café, e talvez tenha visto um pé de café do outro lado da floresta onde está, ele parte em caminhada. Após mais ou menos uma hora floresta adentro, para a felicidade de todos, era café. Ele colheu, procurou um bom lugar e deixou os grãos secando. Fez isso enquanto procurava umas pedras e acendia uma fogueira.

Procurou na selva por alguma cabaceira, e desceu alguns kilômetros até o rio, colheu um pouco de água e voltou. Já estava por volta da hora do almoço, então aproveitou para coletar algumas frutas no caminho, e matou a fome que começava enfraquecer seu corpo. Seu objetivo era claro e simples. Tomar. Um. Café. Quando voltou aos grãos ressecando no sol, percebeu que os passarinhos comeram alguns. Mas tudo bem.

Moeu os grãos com uma pedra, usou a fogueira paraa esquentar algumas pedras para ferver a água. Tudo coisa simples. Aproveitou a fogueira acesa para dormir por ali mesmo.

Já era de noite quando o café ficou pronto. Assim que colocou na boca fez uma careta, debaixo da barba e cicatrizes. Estava sem açúcar.

Suspirou.

Amanhã ele iria atrás de açúcar. Por enquanto tentou dormir, logicamente em vão, por causa de tanta cafeína.

Um comentário em “O homem natural

Os comentários estão encerrados.