Uma hacker chamada Amanda (ou não)

Ela me ligou na hora do almoço, numa ligação muito ruim, dizendo que eu tinha ganhado uma limpeza e clareamento no consultório odontológico de não-sei-onde, e perguntou qual seria o melhor dia e horário. Eu já fiquei desconfiado.

Na verdade, comecei a desconfiar antes mesmo de atender, já que dificilmente atendo números que não conheço. Mas esse não era daqueles códigos 033 de prisão, então atendi.

Obrigado, Amanda, pela sua persistência. Mas o que eu realmente fiquei desconfiado, foi ganhar um clareamento e limpeza assim, gratuitamente, sem ter feito nada. Ainda depois disso, fiquei desconfiado de ter ganhado alguma coisa.

Minha desconfiança devia ter continuado quando ela pediu minha data de nascimento. Pra quê data de nascimento pra fazer limpeza dos dentes? Eu, ingenuamente, dei minha data de nascimento – não façam isso em casa, amiguinhos.

Se você precisava da minha data de nascimento para entrar em qualquer conta minha, Amanda, parabéns. Você conseguiu facinho.

Enquanto pensava em como iria trocar todas as minhas senhas de contas, e-mail e recapitular toda minha vida digital, mandei mensagem à minha digníssima secretária. Ela me lembrou do último rodízio de pizza que fomos quando, na hora de pagar, quase em coma pelo tanto que tínhamos comido, o atendente perguntou “Querem participar do sorteio de clareamento? Aqui o cupom. Você preenche com seu número, nome e data de nascimento”.

Pedro, agora você precisa trocar todas as suas senhas, e começar a prestar atenção de onde você deixa seu número e e-mail.