Ladrão Míope Feliz

Quem me conhece sabe que uso óculos. E isso acontece desde os quinze anos, quando eu sentava na primeira fileira da sala de aula e ainda não entendia direito o que a professora escrevia. Depois começou a vir a dor de cabeça, e eu fui no oftalmologista.

Alguns graus de miopia, outros de astigmatismo na lente e pronto! Minha visão estava corrigida.

Estava.

Até o fatídico dia em que fui aproveitar as belezas da natureza de onde vivo. Eu estava em uma prainha.
Deixei minha roupa, óculos, chinelos, chave do carro sobre uma pedra e nadei por cerca de uma hora. Quando voltei estava quase tudo lá. A roupa, a chave do carro, os chinelos…menos o óculos

Oi?

Isso mesmo, roubaram meus óculos.

Parte de mim fica triste em pensar que minha armação de R$150,00 foi vendida por R$10,00 em algum lugar que vende drogas para sustentar o vício de alguém. Ele poderia ter levado o carro, os chinelos, ou até a roupa. O que seria mais provável que ele vendesse?

A questão não é essa. Eu sou um azarado muito otimista. Outra parte de mim espera realmente que alguém viu as roupas, o chinelo e o óculos. Ele já tinha roupa e chinelos, então decidiu colocar os óculos no rosto. Então que ele descobriu como não conseguia mais enxergar as coisas, e ficou maravilhado em ver como o mundo é bonito, cheio de cores e nitidez. Ele deu uns passos, se acostumando com o grau da lente. Pode até ter pensado que ia só dar uma volta para ver cada detalhe da areia e das árvores em volta. Talvez conseguiria ver os peixes lá dentro da água com esse óculos.

Eu acredito mesmo que ele pensou em dar uma volta, e logo voltaria para devolver – estou sendo muito otimista mesmo – e acabou seguindo sua vida enxergando muito melhor do que eu.

Boa sorte, garoto. Seja agora um ladrão, míope, mas feliz.