Abaixo assinado

Pareceu sensato a muita gente daquele país fazer um abaixo assinado contra a mudança de temperatura. Não era nada a ver com as mudanças climáticas, aquecimento global ou coisas desse tipo. Era apenas um desconforto o calor intenso no verão, e o frio do inverno. Também alguns se queixavam das chuvas e do vento em certas épocas do ano, e resolveram incluir isso no documento.

“É para isso que serve a democracia” disse um dos líderes da revolta. O governo publicou uma nota dizendo não ter nada a ver com as mudanças de temperatura, e proferiu se compadecer da indecisão do cidadão de não saber se sai e leva um casaco ou um guarda chuva.

Muitos senhores idosos e frequentadores filas de banco e supermercado se revoltaram contra o documento. Eles alegavam que devia ter mudança de temperatura, senão, não haveriam assuntos nas filas de qualquer lugar.

ONGs que defendem causas ecológicas ficaram felizes, achando que ganharam novos adeptos à sua causa nobre. Publicaram outras notas dizendo que o governo tem muito a ver com as mudanças de temperatura, sim, e começou um papo sobre desmatamento e poluição.

Os assinantes do documento decidiram não se envolver nessas questões complicadas de preservação. Eles só queriam um ar condicionado.

E foi isso que fizeram. Na verdade elas começaram a construir condomínios em prédios gigantescos. Lá elas trabalhavam, viviam e faziam compras. O ambiente sempre na agradável temperatura de 24 graus. Assim ninguém reclamaria de nada.

Porque é assim. Você dá uma solução rápida para quem está incomodado, e ela fica bem até arranjar qualquer outra coisa para reclamar.