Sem Ponto de Interrogação

Começamos a pouco tempo atrás, rabiscando as paredes das nossas casas. O desenho, desde sempre, e a melhor forma de contar histórias, exprimir sentimentos, ou borrar uma folha de caderno. Só é pouco preciso para traduzir os sons que saem da nossa boca.
Os hieroglifos eram o meio termo disso tudo. Meio desenho, meio símbolo de comunicação. A gente estava começando a se entender nisso tudo. Depois vieram alguns tipos de símbolos meio estranhos. Não eram exatamente alfabetos, mas estávamos quase lá.

Assim como a linguagem falada, a linguagem escrita foi se modificando e evoluindo. Precisamos sempre melhorar nossas compreensões sobre o outro e sobre o mundo, conforme os outros e o mundo vão ficando mais complicados.

Por fim, conseguimos um alfabeto que traduz quase que completamente todos os sons que conseguimos produzir com o objetivo de comunicação. Vinte e seis letras, alguns sinais de exclamação, pontuação. Estava ótimo. Escrever um livro à mão que era dureza.
As máquinas vieram, e com elas a evolução dos linotipos. Não precisava mais escrever coisa nenhuma à mão. Você organizava plaquinhas de metal na ordem certa, e seu texto era batido com tinta na folha. Pronto!

A máquina de escrever, os teclados, as impressoras à tinta, à laser…tudo isso para a melhoria da nossa comunicação escrita. A linguagem escrita ainda evolui até hoje, com a digitalização dos documentos, a velocidade de processamento de dados, e as muitas folhas que os escritórios amam imprimir para grampear, colocar numa pasta e depois jogar fora.

Cada símbolo, cada pontuação é importante para que você, caro leitor, entenda este texto até aqui. Infelizmente nós temos que trabalhar com o que temos. E eu gostaria muito de começar este texto, nesta terça-feira linda, perguntando como você está. O que me deixa levemente irritado foram as teclas Shift e Alt do meu teclado terem quebrado, impossibilitando meu acesso à tecla de interrogação. E agora, obrigatoriamente, todas as minhas sentenças no blog serão apenas afirmações, no máximo exclamações.

Espero mesmo que você esteja bem, e nossa comunicação escrita não tenha nenhum problema daqui em diante. Muito obrigado por vir!