Caro amigo golpista

Caro senhor golpista,

Primeiramente, meu nome não é Antônio. Desculpa gastar parte do seu pacote de SMS, mas eu entendo que é um investimento. De quatro ou cinco mil SMS que o senhor manda por dia, pelo menos uns trezentos são Antônio. E pelo menos duzentos desses estão devendo a alguém. Antônio é um nome muito mais comum que Pedro, por exemplo. Achar alguém que deve à Crefisa deve ser mais comum ainda, imagino.

Se eu me chamasse Antônio, esperaria que a Crefisa soubesse, pelo menos, meu sobrenome. Se eu estivesse alguém devendo pra mim, eu tentaria saber tudo sobre a pessoa antes de cobrá-la assim, descaradamente. Como você sabe, existe um código de ética quando falamos sobre dinheiro.

Além disso, a falta de acentuação me irrita. Unica tem acento, senhor extorsor. Acento agudo. Se escreve “Oportunidade única“. Mesmo se eu realmente estivesse devendo à Crefisa, faria total questão de perder qualquer oportunidade “unica” – sem acento – mesmo se fosse “so hoje” – também sem acento.

Caríssimo senhor charlatão, saiba que não se coloca espaço antes do ponto. É assim. Ponto e o ponto depois. Sem espaço.

Tampouco costuma-se colocar espaço entre o cifrão e o número, mesmo que o valor seja o que o senhor deseja roubar.

Infelizmente não tenho interesse em cair no seu golpe barato (e sem acento), mas fica aí pra uma próxima oportunidade.

PS: Se essa foi uma mensagem real da Crefisa, você deveriam checar melhor os telefones de seus clientes.
PS2: Se você se chama Antônio fica esperto, que tem gente querendo arrancar dinheiro de você
PS3: Se essa mensagem foi real, e você se chama Antônio, e está devendo para a Crefisa, corra atrás dos seus direitos.