Porão

O pai disse que, na época dele, as crianças corriam para a rua quando passava avião. Que elas gostavam do som e da sensação de ouvir os motores no ar. Disse que elas até acenavam para o avião, como se ele pudesse responder.

O vô disse pro pai parar de contar lorotas pra gente, e que nada vai voltar a ser como era. Falou também que sonhar não leva ninguém a lugar nenhum, e ficou olhando pela janelinha do quarto.

A mãe disse que quando o vô fica olhando pela janela, é porque ele tá lembrando da vó, e que não é pra atrapalhar.

Falou também que o que o pai falou era verdade, e disse que era assim mesmo. As crianças ficavam brincando na rua. Que passavam muitos carros na rua. Os carros é que eram perigosos. Tinha combustível pra muitos carros andarem, e eles eram perigosos.

O pai falou que as buzinas dos carros eram como as sirenes. Os caminhões faziam a terra tremer, como fazem as bombas quando caem.

Eu só queria brincar na rua com meus amigos. Queria ainda ter amigos. Que nenhum deles fossem levados pra longe pelos moços de roupa verde, e que eles tivessem todos vivos.