Viajar para o passado

No meio da aula de Antropologia, Rafa estava inquieto com muitos pensamentos. Cutucou Beto.

– Cara, você acha que a viagem no tempo é possível?
– Uhum.
– Tá, mas como?
– Cientificamente?
– Cientificamente.
– Cara, aí fica difícil.

Beto parou para pensar na possibilidade. Inventou algumas fórmulas malucas na cabeça.

– Ok, pela relatividade, nós podemos viajar para o futuro. Se alguém chegar à velocidade da luz, o tempo vai passar diferente para ele, e é isso.
– E para o passado?
– O que tem o passado?
– Viajar para lá.
– Deve ser possível também.
– Mas..como?

Pausou por uns instantes para formular uma nova ideia.

– Se você viajar para o futuro, chegando lá vai ter tecnologia e conhecimento para viajar para o passado.
– Tá, mas precisamos saber como chegar na velocidade da luz primeiro.
– Exatamente.
– Não faz sentido.
– Faz completamente sentido, Rafael

Virou para frente, rabiscou umas setas e fez umas indicações num desenho.

– Aqui. Nós estamos viajando no tempo neste exato momento. Mas só conseguimos viajar pra frente.
– Isso.
– A gente quer viajar para trás
– É.
– Então é só descobrirmos do que o tempo é feito pra gente modificar ele, e viajar para trás.
– Mas o tempo não é matéria, cara.
– Não sabemos disso.
– É óbvio
– E se for uma matéria que ainda não conseguimos controlar.
– Faz menos sentido ainda.
– Então você acha impossível voltar para o passado?
– Só em filmes de ficção científica, e geralmente eu durmo neles.

Beto se virou para frente. Deu-se por vencido.

O professor explicava alguma coisa sobre relação de seres humanos com o Universo…