O começo e fim de quase todos os projetos

Eu tive novamente a ideia de um parágrafo perfeito para se iniciar um livro. Aconteceu, como acontece com frequência desde que entendi que livros são amontoados de palavras. Eu penso em formato de livro há mais de vinte anos, só que nem sempre meus pensamentos fazem sentido. Às vezes fazem, e foi assim.

Eu estava lavando as mãos, saindo do banheiro, quando olhei para o espelho. A frase me veio à mente como se eu a lesse sempre num dos meus livros favoritos. Era uma outra sentença perfeita, que descrevia como dois personagens se conheceram.

Enquanto pegava o sabonete, montei todos os personagens da história. Um policial, uma detetive. Um romance futurista. Pensei em como seria a química de dois personagens tão distintos, e fiz e refiz a história inteira na minha cabeça, a partir do primeiro parágrafo.

Até terminar de enxaguar e secar as mãos eu dei um nome e uma capa pro livro. Pensei em quanto tempo levaria para escrever, reescrever e editar. Diagramação, divulgação…até 2020, certeza.

Era uma ideia genial, e eu amaria me comprometer por uns meses num projeto tão empolgante!

Mas, então, eu abri a porta e saí do banheiro…

Minha mãe me chamou, e esqueci completamente tudo o que estava pensando…