Perdi a ideia

Então, repentinamente, a ideia me vem à cabeça. É como se eu visse, em poucos segundos, o texto completo numa página do meu blog. Ele está pronto, na minha cabeça, e nem tive o trabalho de pensar por horas sobre algum assunto, inventando uma história ou argumento. A ideia está pronta. Mas só há um problema:

Eu esqueci qual era.

E este é um problema difícil de resolver porque, afinal, não a perdi em algum lugar do eu quarto. Eu sei exatamente onde está cada coisa na bagunça do meu quarto. Só não sei onde as coisas ficam na bagunça da minha cabeça.

Ainda com a maçaneta da porta na mão, eu volto pra dentro do meu quarto. Foi lá que eu tive a ideia, e é lá que, provavelmente, ela estará. Não funciona. Olho pros móveis, meio que perguntando “você viu a ideia que eu deixei por aqui?” e nada.

Tenho quase certeza que era algo sobre travesseiros. Sento na cama. Pego meu travesseiro. É daqueles da NASA. Fronha branca. Não, não era sobre isso. Tantas coisas podem ser ditas sobre travesseiros, esses nossos companheiros noturnos fofinhos. Aperto ele. É, não vai adiantar. Jogo ele de volta no lugar.

Eu olho em volta porque, se eu tive a ideia nesse quarto, pode ser sobre alguma coisa que eu vi. De repente, ela está escondida atrás de algum móvel, mas nenhum deles me disse nada. E eu ali sentado, olhando pro nada. Depois de uns cinco minutos começa a não fazer mais sentido procurar por uma ideia que já foi embora.

Aceita, cara. Ela desapareceu.

De repente a falta dela vire um texto também.