Sustentável

Um belo dia, não se sabe porquê, cientistas super sensatos calcularam e descobriram, quase que inesperadamente, algo que mudou toda a história da indústria. O cálculo foi assim: Eles pegaram todo o número de seres humanos sobre o Planeta Terra. Depois somaram todo o número de automóveis, motocicletas, bicicletas, patins e chinelos de praia que existem. Então dividiram um pelo outro. Não não, dividiram outro pelo um. E descobriram que já existia meio de locomoção para todos os seres humanos vivos, e para as próximas cinco gerações. Melhor ainda, os veículos atuais iriam se degastar, o que aumentaria o preço de compra e venda, e aí já era problema dos economistas – que, quase todos concordavam, não eram cientistas de verdade.

Ninguém mais precisaria trocar seu carro de 2027 modelo 2028 pelo 2028 modelo 2029. Deixaríamos tudo escrito bonitinho para nossos tatataranetos voltarem a produzir carros, e até lá só nos preocuparíamos com o combustível.

Começou assim, com um grupo de estagiários jogando conversa fora no campus de alguma universidade. Os cientistas da indústria automobilística comprovaram a teoria, e tomaram para eles porque, afinal, já estavam cansados a pesquisar como fazer um carro atingir 500km/h já que as pistas só permitiam 200km/h.

Depois a moda pegou, e o pessoal do plástico já começou a calcular todas as tupperwares, copos, garrafas pet e canudos, descobrindo também que já podiam parar de produzir plástico. Todos os patinhos e brinquedos de plástico seriam suficiente para a humanidade existente e até sua extinção. Passaram então a ocupar o seu tempo pesquisando o que fazer com o plástico que já tinha sido produzido.

O pessoal da indústria do papel já tinha desistido de produzir papel quando passou a ter menos árvores que seres humanos. As moedas, que ainda eram de papel, subiram drasticamente o preço, fazendo com que a indústria dos chips aumentassem um pouco a produção de moeda digital. Eles também chegaram à conclusão de que já haviam camas, armários e cadernos de mão o suficiente para as próximas cinco gerações, e ficaram de boa.

Não precisamos listar o caos que se instaurou na indústria, e impacto negativo na economia. Milhares de economistas e contadores repentinamente assumiram que eram de humanas, e foram protestar nas praias. O maior problema, por incrível que pareça, foi na área da saúde.

Médicos e cientistas pesquisadores se reuniram, e descobriram que, na verdade, não teríamos seres humanos suficiente até o final dos recursos que já tínhamos gastado. Reduzimos ainda mais a taxa de natalidade, e cuidamos dos nossos idosos enquanto eles nos contavam como estavam orgulhosos da nossa geração, já que eles só se preocupavam com internet, drogas e sertanejo universitário.

Deu um pouco de trabalho, mas, felizmente, vimos nosso apocalipse chegando mais lentamente, e pudemos nos preparar, sentados em nossas poltronas reclináveis de plástico.