Nada acontece

Ninguém sabe exatamente como nem quando as coisas deixaram de acontecer naquela cidade, mas as coisas deixaram de acontecer. As pessoas não saíam das suas casas, não brigavam, não engravidavam, não traíam. Era uma típica cidade de interior, onde todo mundo conhece todo mundo, e qualquer coisa que qualquer um fizesse, todos saberiam e fariam seus julgamentos. Fulano saía com a fulana e no dia seguinte era o assunto dos salões de beleza e dos bares. A notícia tomava forma e tamanho. ‘Foi pra cama ou não foi? Engravidou. Pois é. Fulano vai ser pai. É menina’. Só saíram. Qualquer coisinha que acontecia movia a cidade, fazia aquelas pequenas pessoas serem felizes com suas pequenas futilidades. 

Sair para trabalhar, voltar para casa e assistir tevê não é nada de extraordinário. As pessoas não comentam isso. Os comentários nos bares são feitos da vida dos outros, e de repente a vida de ninguém tinha movimento o suficiente para se comentar. Os bares foram ficando vazios, porque em casa parecia estar tudo tão certo a ponto dos maridos não precisarem sair para beber e reclamar da vida. Sentar na frente da tevê bastava. O jornal local ficou desesperado. Não haviam mais notícias. Ninguém casava, traía ou ficava bêbado nas festas. Não haviam mais festas para se ficar bêbado. 

“…Por aqui passava um moço de carrão, vindo da cidade grande. As crianças paravam o futebol só para ver o carro passar. Os homens da vila ficavam falando do carrão azul passando, no bar. Nem futebol tem mais. Mas eu continuo sentado aqui na varanda” conta o saudoso seu João que, montando seu fumo na sua cadeira de varanda, ainda espera alguma coisa acontecer.

Com escassez de acontecimentos a vida ficou difícil. Afetou a economia e tudo. Notícias  corriqueiras ficaram supervalorizadas. O jornal colocou notícias a prêmio na semana seguinte. Quem chegasse com fofoca ganhava salário de redator. As senhoras que fofocavam na calçada montaram uma patrulha da fofoca. Eram caçadoras de furos da vida alheia. Mas não tinha nada. As filas de mercado ficaram silenciosas, a vida não era mais novela. Quando simplesmente nada acontece, ninguém sabe exatamente o que fazer…